Antz – A motivação de Z

Formiguinhaz (Antz) é um filme americano, lançado em 1998, que conta a história de Z, uma formiga operária que apresenta comportamentos depressivos.

O filme inicia com Z em um divã, narrando ao seu terapeuta o quanto está desgostoso com sua vida e as atividades que é obrigado a exercer, afinal ele é uma formiga operária e precisa desempenhar a função que lhe foi designada desde que nasceu. Z demonstrava baixa auto-estima, assim como insatisfação pela vida que levava, queixando-se sempre, não apenas com o terapeuta, mas também com seu amigo Weaver e a colega Azteca. Em sua narrativa ele deixava claro que não conseguia enxergar uma maneira para melhorar a situação.

Pérez-Ramos (1990), citando McGregor (1960) informou que o indivíduo “é motivado principalmente por suas necessidades de realização pessoal, de trabalho produtivo, de aceitação de responsabilidades e de adequação de suas metas pessoais com as de organização ou grupo de trabalho, percebendo seu desempenho como real fonte de satisfação.” Z possuía necessidades pessoais, porém não era motivado pelo trabalho e estava insatisfeito pelo fato de ter que ser uma formiga operária. Assim, ele estava desmotivado a quebrar pedras e realizar as demais atividades.

A vida de Z muda quando ele ouve um estranho lhe falar sobre um lugar chamado Insectopia, uma espécie de paraíso utópico de insetos, mas que se revela real ao decorrer do filme. Além disso, na mesma noite, Z conhece e se encanta pela princesa Bala, que estava no bar tentando escapar um pouco da vida no palácio.

Segundo Lopes (2003), a motivação é um estímulo que promove alguma reação nos indivíduos. “A motivação funciona como um dinamizador, um impulsionador do comportamento humano” (LOPES, 2003). Para Z houve duas motivações, para tentar mudar a vida: rever a princesa Bala, e encontrar Insectopia. Para poder reencontrar a princesa, Z pediu a Weaver para trocar de lugar com ele por um dia, já que Weaver era uma formiga soldado e seria inspecionado pela rainha no dia seguinte. Assim, eles trocaram de lugar e Z foi parar numa guerra contra os cupins, sendo o único sobrevivente, o que o levou até o palácio e a presença da princesa.

Segundo Pérez-Ramos, 1990, Maslow criou a teoria da Hierarquia de Necessidades, na qual ele identificou e fez a classificação das principais necessidades dos indivíduos, classificando-as de acordo com uma escala de hierarquização ascendente – 1 necessidades fisiológicas; 2 necessidades de segurança; 3 necessidades sociais; 4 necessidades de estima; e 5 necessidades de auto-realização. Fazendo um paralelo entre a teoria de Maslow e a história de Z, é possível perceber que em uma escala de necessidades a necessidade de auto-realização era a mudança de vida, deixar de ser o que era, e o fato de querer reencontrar a princesa foi o primeiro passo para satisfazer sua necessidade.

Após ser reconhecido por Bala como um “ex-operário”, Z quase foi preso pelos soldados e para se proteger fingiu ameaçar a princesa, mas ambos caíram num ducto de lixo e foram parar fora do formigueiro. Diante dessa situação, ao invés de retornar para proteção do formigueiro, Z foi motivado a satisfazer outra necessidade, encontrar Insectopia.

Com essa nova motivação, Z leva Bala a enfrentar o mundo fora do formigueiro e encontrar Insectopia passa a ser uma motivação para ela também. A princesa Bala também tinha a necessidade de mudar de vida. Ver o mundo fora do palácio e estar em companhia de Z lhe trouxe uma motivação a mais. Dessa forma, ambos estavam em busca de Insectopia estimulados por tudo que esse local misterioso poderia lhes proporcionar.

Depois de uma longa jornada, Z e Bala se deparam com Insectopia e passam a desfrutar do lugar. A motivação para mudar suas vidas os levou de encontro a uma espécie de paraíso e a novas possibilidades, porém Bala foi encontrada e levada de volta ao formigueiro. No intuito de restagatá-la, Z retornou ao lar, onde descobriu que tudo poderia ser destruído pelas águas, que invadiriam o formigueiro através do túnel no qual ele trabalhava.

Para Vroom (1964), citado por Pérez-Ramos (1990), os processos motivacionais se dão através da percepção que o sujeito tem a respeito das atividades que precisa desenvolver para alcançar um objetivo. Ao saber que o formigueiro seria inundado, Z buscou encontrar uma maneira de salvar toda colônia. Nesse caso, a percepção do que precisaria fazer o motivou a realizar ações que não faria antes. Ao agir, juntamente com a princesa Bala, Z conseguiu a colônia e finalmente mudou alguns aspectos de sua vida.

FormiguinhaZ é uma animação que pode nos remeter a diversas análises, mas um dos pontos centrais é a motivação inserida no contexto do formigueiro. Z representa muitos indivíduos que vivem em constante insatisfação, seja com pequenos detalhes, ou com o todo. Ao se deparar com uma possibilidade de mudança, Z encontrou a motivação para buscar a mudança, para tentar, finalmente, encontrar a satisfação que faltava.

REFERÊNCIAS:

LOPES, G. A. V. Motivação no Trabalho. Rio de Janeiro, 2003. Disponível emhttp://www.avm.edu.br/monopdf/23/GABRIELA%20ALVARENGA%20COLMENERO%20LOPES.pdf

PEREZ-RAMOS, J. Motivação no trabalho: abordagens teóricas. Psicol. USP,  São Paulo ,  v. 1, n. 2, dez.  1990 .   Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51771990000200004&lng=pt&nrm=iso>


FICHA TÉCNICA 

ANTZ – FORMIGUINHAZ

País de Origem: Estados Unidos.
Direção: Eric Darnell.
Duração: 83min.
Ano: 2001

Nadilma Nascimento Santos
Psicóloga especialista em Terapia Analítico Comportamental, pelo Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE).
Autor / Co-Autores: