Clínica Psicodinâmica do Trabalho de Professores – Práticas em Saúde do Trabalhador

O livro Clínica Psicodinâmica do Trabalho de Professores – Práticas em Saúde do Trabalhador é destinado para professores, profissionais/pesquisadores que atuam em instituições públicas e privadas, sindicalistas e estudantes interessados na temática de saúde do trabalhador. A proposta, entre tantos objetivos que poderemos alcançar, é a de sistematizar e promover uma discussão sobre o que tem sido construído pelo SINPRO/DF – Sindicato dos Professores no Distrito Federal em parceria com o GEPSAT – Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde do Trabalhador e outros profissionais colaboradores, que não se acomodam frente às condições de trabalho e às vivências de prazer e de sofrimento dos professores brasileiros, e por isso mesmo precisam socializá-las.

 

A construção desta proposta escrita por várias mãos apresenta um cenário conceitual, ilustrado com relatos de experiências no trabalho com educadores e educadoras, bem como resultados de pesquisas realizadas e intervenções, utilizando a abordagem teórica e metodológica da Psicodinâmica do Trabalho. Nesse sentido, o livro articula teoria, prática e pesquisa, fazendo análise do prazer-sofrimento de educadores.

Disponibilizamos reflexões teórico-metodológicas sobre a temática, que acreditamos serem úteis para o trabalho de pesquisa, ensino e extensão universitária, ao mesmo tempo sendo Condições de Trabalho e Saúde do Professor aporte aos profissionais de distintas áreas que atuam com educação, um referencial para intervenções neste campo; e também além de divulgar a produção científica – no ambiente universitário, nas instituições de pesquisa, sindicatos, instituições públicas e privadas – sobre a temática analisada.

Esta obra compõe a Biblioteca Juruá de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho, que tem como propósito construir um espaço de produção do conhecimento no campo da psicodinâmica e clínica do trabalho, e contribuir com o debate teórico-metodológico acerca dos estudos atuais dos processos psicodinâmicos do trabalhar, das vivências de prazer e sofrimento, da subjetivação e suas articulações com a saúde mental. A intenção é divulgar e incentivar práticas e pesquisas brasileiras e de outros países, contribuindo para formação acadêmica e para disseminar, aprofundar e ampliar as temáticas tratadas pela psicodinâmica do trabalho, como a mobilização subjetiva, estratégias defensivas, inteligência prática, espaço público de discussão, coletivo de trabalho e reconhecimento. O desejo é criar um espaço democrático, de troca de saberes e experiências, que patrocine o debate de ideias, provoque discordâncias, transgressões, afetos, mobilização, de modo a ampliar o espaço coletivo de discussão e deliberação sobre a teoria, o método e as práticas em psicodinâmica e clínica do trabalho.

As ações em Saúde do Trabalhador não são um tema novo na agenda do Sindicato dos Professores no Distrito Federal (SINPRO/DF), mas precisam ser revitalizadas para o debate na medida em que novos desafios nos são colocados cotidianamente no mundo do trabalho. Desde o início de suas ações, o Sindicato defende melhores condições de trabalho e de vida para professores e professoras, mas a partir das ações organizadas pela Secretaria para Assuntos de Saúde do Trabalhador do sindicato junto ao GEPSAT – Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde do Trabalhador, que vem desenvolvendo a Clínica do Trabalho, as demandas se tornam mais vivas e com necessidade clara de intervenção.

A proposta de Clínica do Trabalho no espaço sindical vem como ação de promoção em saúde em contraposição e resistência às políticas neoliberais de desmonte de direitos adquiridos pelos trabalhadores e de novos modelos de gestão que não levam em conta a participação dos coletivos.

Esta produção demonstra o esforço que tem sido feito no sentido de resgate da dignidade e ressignificação do trabalho para os trabalhadores e trabalhadoras da educação que sempre tiveram e devem continuar tendo lugar de destaque na construção da sociedade. Esta obra é fruto de construção coletiva dos autores, que foram acolhidos pela consonância do trabalho realizado na promoção em saúde. Queremos salientar aqui o poder dessas ações e por isso mesmo a importância de seu registro e compartilhamento com outros profissionais que também constroem práticas semelhantes, fomentando discussões, impulsionando e aprimorando trabalhos futuros.

O livro está divido em quatro partes. Na parte I são apresentados os fundamentos teóricos da Psicodinâmica do Trabalho que embasam os capítulos seguintes escritos por diferentes profissionais. No primeiro capítulo, encontraremos uma apresentação teórica sobre a Clínica Psicodinâmica do Trabalho, o papel do clínico e como este lida com a mobilização ou a acomodação dos sujeitos, e a importância da articulação dos sindicatos na criação de políticas que visem à saúde de os trabalhadores. No segundo capítulo, está descrito o trabalho realizado pela Secretaria para Assuntos de Saúde do Trabalhador do Sindicato, que com o título SINPRO-DF por uma categoria saudável, demonstra que desde 2004 desenvolve ações voltadas para a saúde da categoria, sempre tendo como foco a demanda dos professores aos quais representa.

Na parte II, apresentamos em quatro relatos, pesquisas que tratam sobre a Clínica da Cooperação. Nesta parte, Bottega relata pesquisa realizada com Educadores Sociais que trabalham com jovens em situação de rua na EPA (como é carinhosamente chamada a escola municipal na cidade de Porto Alegre que atende esses adolescentes); e mesmo com o conjunto de vulnerabilidades sociais cotidianas desses jovens e o atravessamento das políticas públicas municipais, os educadores encontram no coletivo forças para continuarem o que entendem ser a sua “missão” como educadores, em parceria com as demais políticas de assistência social, saúde, cultura, entre outras. Seguindo a leitura, encontraremos o relato de trabalhos realizados com professores de escolas públicas do Amazonas, apresentado por Vasconcelos e Rosas, a partir de quatro pesquisas e um projeto de extensão desenvolvidos no Laboratório de Psicodinâmica do Trabalho da Universidade Federal do Amazonas (LAPSIC/UFAM).

As autoras caracterizam a situação de trabalho dos professores de Manaus, dando ênfase às vivências de sofrimento e adoecimento relacionadas ao trabalho. Perez enfatiza a questão do Reconhecimento no Trabalho Docente (ou a falta deste) a partir de suas considerações sobre a atividade de Professores do Ensino Superior Privado, em algumas instituições do Rio Grande do Sul, onde vivenciou em sua pesquisa de mestrado a falta de espaços coletivos para esses trabalhadores e as dificuldades em seu cotidiano. Finalizando esta parte, Ricardo e Castro trazem o relato da clínica da cooperação em uma escola no Distrito Federal, onde conseguiram identificar as fontes de prazer e sofrimento relacionadas à organização e ao cotidiano de trabalho na escola, possibilitando um espaço de fala e escuta para as docentes.

A parte III, voltada para a Clínica das Patologias, apresenta um relato onde o foco no resgate do sentido do trabalho. Duarte e Castro relatam o processo do vivido com os professores da Rede Pública do DF, a partir de seus atendimentos realizados no SINPRO/DF. Em parceria com o Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde do Trabalhador (GEPSAT), há o oferecimento de um espaço de escuta psicológica, na especialidade Clínica do Trabalho, com atendimentos em grupos, realizando acolhimento aos professores e professoras que adoeceram por motivos de trabalho, promoção, prevenção em saúde e produção científica sobre os processos de adoecimento e sofrimento ocupacionais. Essa proposta tem conseguido promover o desenvolvimento de ações de melhoria da qualidade de vida dos professores e contribuir para o seu bem-estar físico, mental e social, o que será descrito mais detalhadamente.

Já a parte final, apresenta como fechamento para este livro as perspectivas para a saúde do trabalhador na contemporaneidade e mais especificamente, potencialidades e desafios para a categoria dos professores e professoras que têm encontrado no espaço do Sindicato uma possibilidade de reelaboração do vivido no trabalho.

Nossa proposta é esta: a partir da leitura e reflexão dos escritos aqui apresentados, avançar conjuntamente com novos parceiros na discussão da Clínica do Trabalho, espaço tão importante para muitos trabalhadores que já não acreditavam mais em sua capacidade de produção e construção social, mas que com iniciativas de espaços coletivos construídos ou reconstruídos podem voltar a ter perspectivas de futuro em suas vidas. Assim, como nos aponta Dejours, trabalhamos com o conceito de que saúde é quando ter esperança é permitido, quando é possível desejar e esse desejo envolve o sujeito trabalhador na transformação.

 


FICHA TÉCNICA DO LIVRO

CLÍNICA PSICODINÂMICA DO TRABALHO DE PROFESSORES – PRÁTICAS EM SAÚDE DO TRABALHADOR

Autoras: Ana Magnólia Mendes, Carla Garcia Bottega e Thiele da Costa Müller Castro (orgs.)
Editora: Juruá
Ano:2014

Thiele da Costa Muller Castro
Graduada em Psicologia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Mestre em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Saúde do Trabalhador – GEPSAT. Colaboradora do Laboratório de Psicodinâmica e Clínica do Trabalho UnB. E-mail: thielemuller@msn.com