Onde está Segunda? X Recursos para um bom adestramento

O filme ‘Onde está segunda?’ – disponível no Netflix, apesar de ser uma ficção, nos mostra que este panorama talvez não esteja assim tão distante; na verdade, salta aos olhos de quem atenta para os fatos, de que não cabe a nós decidir sobre como vamos transformar nosso mundo, apesar de sermos a força motora para isso. Como no filme, nos vemos alienados a uma sociedade controlada por suas mídias e sua tecnologia sem ética. Pessoas com medo, trancadas em seus mundos internos. O estado controlando seus cidadãos, mundo este onde a obediência às leis é um dever supremo.

Cada vez mais os filósofos do passado nos mostram o quanto eram visionários em relação ao nosso mundo contemporâneo. Os escritos de Michel Focault, com propriedade, fala que “a disciplina fabrica indivíduos; ela é técnica específica de um poder que toma os indivíduos ao mesmo tempo como objetos e como instrumentos de seu exército”.

Foi exatamente isso que o filme nos mostra, indivíduos fabricados para obedecer, meros objetos, sem privacidade e sem liberdade até de expressão. Instrumentos nas mãos esmagadoras de um poder superior. Sobre isso, Focault diz que “a plena luz o olhar de um vigia capta melhor que a sombra, que finalmente protegia. A visibilidade é uma armadilha”.

No filme, irmãs se viram obrigadas a ter uma identidade coletiva para sobreviverem, já que o governo não permitia mais de uma criança por família. Foi negada a elas sua individualidade e tiveram que lutar bravamente por suas vidas. Eram sete, sobraram apenas duas, porém conseguiram desmascarar as mentiras cruéis do poder corrupto que limitava o povo.

Essa parte, sim, acho que podemos considerar uma ficção, não temos heróis desse nível, e por mais que tentem derrubar a máquina que nos oprime, mais ela nos manipula. A todo o momento nos vemos bombardeados por mensagens subliminares que chegam de todos os lados, nos dopando de falsas verdades.

Ironicamente Michel Focault antevia isso quando lemos seus escritos e nos deparamos com essa verdade que ele escreveu: “O poder disciplinar é, com efeito, um poder, em vez de se apropriar e de retirar, tem como função maior “adestrar”; ou sem dúvida adestrar para retirar e se apropriar ainda mais e melhor”.

Nenhuma citação caberia melhor para ilustrar o filme como essa, é exatamente isso que acontece tanto na ficção como nos dias atuais. Esta ficção está cada dia mais real. Observamos claramente tudo isso acontecendo, população adestrada para ser retirada dela o que era de interesse das camadas superiores. Uma verdadeira apropriação do outro.

Ficamos atônitos quando nos deparamos com essa “ficção” onde o poder tem uma lente de trezentos graus. “Para exercer esse poder deve adquirir o instrumento para uma vigilância permanente, exaustiva, onipresente, capaz de tornar tudo visível, mas com a condição de se tornar ela mesma invisível”, diz Focault.

A situação em que as irmãs viviam é aterradora. Tamanha tensão diária, que as levava a ter uma série de problemas emocionais e psicológicos. O medo foi um mestre vigilante e disciplinador apontando o dedo em riste a todo o momento. É um filme intrigante, assustador e extremamente atual, onde podemos encontrar bastante similaridade com as citações de Michel Focault.

Nossa sociedade não é de espetáculos, mas de vigilâncias: sob a superfície das imagens, investem-se os corpos em profundidade; atrás da grande abstração de troca, processa-se o treinamento minucioso e concreto das forças úteis; o indivíduo é cuidadosamente fabricado, segundo uma tática das forças e dos corpos. (Focault, 2017, pag. 82)

Pessoas constantemente vigiadas, constrangidas em sua individualidade. Porém, não sabem quem as vigia e nem de onde, mas têm a plena certeza de que o fazem. A trama nos mostra que todos os direitos dos cidadãos são castrados e totalmente sem autonomia sobre suas vidas, seguem como autômatos. O poder sobre eles foi estabelecido através do controle de suas mentes. Porém, apesar das tragédias para se chegar a um fim, tivemos um final nem tão ruim assim, restou uma esperança para um mundo melhor. 

Referências

FOCAULT, Michel. Recursos para o bom adestramento. Disponível em: https://razaoinadequada.com/filosofos-essenciais/foucault/. Acesso em: 8. Out. 2017.

 ONDE ESTÁ SEGUNDA. Disponível em:< https://www.netflix.com/title/80146805>   Acesso em: 8. Out. 2017.

FICHA TÉCNICA DO FILME

ONDE ESTÁ SEGUNDA?

Diretor: Tommy Wirkola
Elenco: Noomi Rapace, Glenn Close, Willem Dafoe, Marwan Kenzari
Pais: EUA  
Ano: 2017
Classificação: