Estratégias de Redução de Danos e Tecnologias Virtuais de Comunicação

No dia 16 de fevereiro de 2015, foi lançado o primeiro aplicativo de redução de danos e voltado para o usuário de drogas do Brasil.

O aplicativo, ainda disponível apenas para Android, pretende ser uma ferramenta no apoio à Política de Redução de Danos. Foi desenvolvido por uma equipe formada por antropólogos, psicólogos, comunicador visual, design, dentre outros profissionais que se articularam para criar a ferramenta, já apelidado de App RD.

Para entender um pouco melhor sobre a iniciativa, o (En)Cena conversou com os psicólogos paulistas: Bruno Logan Azevedo e Janaina Franco, membros da Equipe App RD, que nos falou sobre a ideia e os resultados que a equipe espera alcançar.

(En)Cena – Como surgiu a ideia do aplicativo?

Janaina Franco – A ideia do primeiro aplicativo de redução de danos e voltado para o usuário de drogas do Brasil, surgiu de uma reflexão sobre formas alternativas de difundir o conceito de Redução de Danos. Considerando que foi a partir de 1984 que iniciaram-se mundialmente vários programas de Redução de Danos, podemos dizer que a RD é uma estratégia nova para com os usuários de drogas, então pensamos na praticidade e facilidade que um aplicativo proporcionaria na divulgação dessas informações. Até onde sabemos existem mais 2 aplicativos deste no mercado, um Americano e outro Francês, arriscamos em dizer que não só é o primeiro aplicativo de Redução de Danos no Brasil, como também na América Latina.

 

(En)Cena – Que resultados vocês esperam alcançar com a iniciativa?

Janaina Franco – Com o avanço da tecnologia, desejamos de forma simples e acessível promover o conceito de Redução de Danos, disponibilizando informações e assim contribuir para minimizar os danos associados pelo uso de drogas. Nosso objetivo a princípio seria ter 5 mil downloads no período de um ano, mas para a nossa feliz surpresa em menos de um mês já temos mais de 2.500 downloads.

(En)Cena – Qual público vocês pretendem atingir com o App RD?

Janaina Franco – Nosso público alvo tende a ser um público mais jovem, aqueles que usam ou não drogas, contudo é direcionado principalmente a usuário de todos os tipos de drogas, bem como familiares e profissionais da área da saúde.

 

(En)Cena – Qual a importância de trazermos a Redução de Danos para o ciberespaço?

Janaina Franco – Devido à extensão que conseguimos com novas tecnologias, acreditamos ser válido e eficaz utilizar todos os meios de divulgação para apresentar e promover a prática de redução de danos, e acompanhando a crescente necessidade de informações rápidas, ‘na palma da mão’ o App Redução de Danos torna-se fundamental na disseminação das informações e ampliação da visão sobre redução de danos e na qualidade de vida de pessoas que decidem experimentar droga em algum momento da vida, pessoas que usam recreativamente e até mesmo dependentes.

 

(En)Cena – A equipe já teve feedback de algum internauta que já utilizou o aplicativo como meio de obter informações sobre substâncias psicoativas?

Janaina Franco – Sim, desde o lançamento recebemos centenas de mensagens dos internautas de diversas partes do país. Nesse período tivemos avaliações positivas quanto à iniciativa e conteúdo disponibilizado. Através desses feedbacks recebemos também algumas sugestões. Vale ressaltar que a RD é um método construído junto e pelos próprios usuários de drogas.  Os usuários de drogas são corresponsáveis pela produção de saúde, em nosso aplicativo funciona da mesma forma.  Estamos em constante aprimoramento do App, e para isso contamos com a colaboração e sugestões dos usuários.

(En)Cena – Como foi o processo de criação do aplicativo?

Bruno Logan – Somos uma equipe de 5 pessoas, 3 psicólogos, 1 Comunicador visual e Design e 1 antropólogo, mas fora os desenvolvedores temos diversos colaboradores, que ajudam com textos, traduções, vídeos enfim… Os próprios usuários sempre mandam feedback por inbox na pagina do aplicativo no Facebook. Tentamos construir e escutando a maior quantidade de pessoas, para assim fazermos o melhor aplicativo para todos.

(En)Cena – A equipe recebeu algum incentivo do setor público ou privado para desenvolver o App?

Bruno Logan – Não, o projeto a princípio é muito mais uma ação de militância pela redução de danos, saúde e qualidade de vida dos usuários, que inclusive é prevista por lei, na lei de drogas do Brasil, mas que pouco recebe investimento pelo setor público. Estamos preenchendo uma lacuna que infelizmente recebe ainda pouco financiamento do poder público, que prefere investir em ações repressivas que historicamente já provaram que não funciona. Queremos dizer, se um usuário resolver usar alguma droga, proibir está funcionando? Não, então deveríamos no mínimo passar informações de cuidado para estes usuários e é isto que a equipe do App RD está fazendo.

(En)Cena – Estamos chegando ao final de nossa entrevista. Gostaríamos de agradecer a participação e parabenizá-los pela iniciativa. Para encerrar, como nossos leitores podem ter acesso ao aplicativo?

Bruno Logan – O aplicativo foi lançado no dia 16 de fevereiro para Android, pode ser baixado gratuitamente no Play Store (goo.gl/lBeXrP), muito em breve vamos disponibilizar o App para Iphone e Windons Phone.

Hudson Eygo
Psicólogo, Coordenador do Serviço de Psicologia – SEPSI do CEULP/ULBRA, Coordenador da Área de Psicologia do Portal (En)Cena – A Saúde Mental em Movimento, e Colunista do Blog Psicoquê. E-mail: hudsoneygo@gmail.com
Autor / Co-Autores: