Espectro da esquizofrenia e outros transtornos psicóticos

RESUMO DO CAPÍTULO 13 DO LIVRO PSICOPATOLOGIA – UMA ABORDAGEM INTEGRADA (BARLOW; DURAND) E UMA ENTREVISTA DESTA TEMÁTICA NA VISÃO DA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO.

PERSPECTIVAS SOBRE ESQUIZOFRENIA

  • Esquizofrenia é uma síndrome complexa reconhecida há muitos anos. Talvez a melhor e mais antiga descrição desse transtorno tenha sido publicada em 1809 por John Haslam em seu livro Observations on Madeness and Melancholy.
  • Inúmeras personagens históricas durante o século XIX e o início do século XX contribuíram para a evolução das definições e possíveis causas deste espectro de transtornos.

DESCRIÇÃO CLÍNICA, SINTOMAS E SUBTIPOS

A esquizofrenia é caracterizada por um amplo espectro de disfunções cognitivas e emocionais que incluem delírios e

alucinações, discurso e comportamento desorganizados e emoções inapropriadas.

Os sintomas da esquizofrenia podem ser classificados como positivos, negativos e desorganizados.

  • Os sintomas positivos – são manifestações ativas de comportamento anormal, ou um excesso ou distorção do comportamento normal, e incluem delírios e alucinações.
  • Os sintomas negativos – envolvem déficit no comportamento normal nos aspectos de afeto, discurso (pensamento) e motivação.
  • Os sintomas de desorganização – incluem discurso confuso,comportamento imprevisível e emotividade inadequada.

Foram identificadas três divisões da esquizofrenia e que eram encontradas até o DSM-IV-TR e retirada para o DSM-5:

  • Paranoide – delírios de grandeza ou perseguição.
  • Desorganizado – emocionalmente ingênua e imatura.
  • Catatônico – alternada entre imobilidade e grande agitação.

PREVALÊNCIA E CAUSAS DA ESQUIZOFRENIA

Inúmeros fatores são considerados causadores da esquizofrenia:

  • Influências genéticas
  • Desequilíbrios nos neurotransmissores
  • Lesão estrutural no cérebro causada por infecção virótica pré-natal ou trauma no parto
  • Estressores psicológicos.
  • A recidiva parece ser provocada por ambientes familiares hostis e críticos caracterizados por emoção expressa elevada.

TRATAMENTO DA ESQUIZOFRENIA

O Tratamento bem-sucedido raramente inclui a recuperação completa. No entanto, a qualidade de vida desses indivíduos pode ser significativamente melhorada quando combinados medicação antipsicótica e métodos psicossociais, apoio no emprego e intervenções baseadas na família e na comunidade.

Normalmente, o tratamento envolve drogas antipsicóticas que costumam ser administradas com uma variedade de tratamentos psicossociais, com a meta de reduzir a recidiva e melhorar as habilidades deficientes e a adesão à medicação. A efetividade do tratamento é limitada porque a esquizofrenia é tipicamente um transtorno crônico

OUTROS TRANSTORNOS

Comportamentos psicóticos como alucinações e delírios caracterizam diversos outros transtorno;

  • Transtorno esquizofreniforme (pessoas que apresentam sintomas de esquizofrenia somente durante alguns meses e voltam ter vida normal).
  • Transtorno esquizoafetivo (pessoas que tem sintomas de esquizofrenia e que também exibem as características de transtorno do humor, como depressão e transtorno bipolar)
  • Transtorno delirante (pessoas com crença persistente contrária à realidade, na ausência das demais características da esquizofrenia)
  • Transtorno psicótico breve (pessoas com um ou mais sintomas positivos do tipo delírios, alucinações ou discurso ou comportamento confuso durante menos de um mês).
  • Um novo transtorno proposto – síndrome psicótica atenuada – que inclui um ou mais dos sintomas da esquizofrenia, como alucinações ou delírios, porém o indivíduo está ciente de que essas são experiências incomuns e atípicas para uma pessoa saudável. Isso está incluso no Apêndice do DSM-5 como um transtorno que necessita de mais estudos.