nascer do sol

Uma nova manhã

Pelas janelas da fábula, tal como passageiro de trem, vi paisagens inquietas passando feito desenhos multicoloridos, velozes, descortinando auroras e entardeceres de beleza jamais sonhada. Eram cenas impressionistas, borrões de cores iluminadas que traziam encanto e enlevo para os abscessos da alma. Lugares mágicos e exóticos se abriam como novos portais a outras dimensões e, sem fronteiras, alçava voos mais e mais altos pelos corredores da fantasia. De fato, após a noite gelada, o sol tinha renascido e com ele uma nova manhã, um novo dia marcado pela superação das trevas onde as luzes foram aspiradas pelo espírito que, sedento uma vez mais de vida, pode crer que a jornada é mesmo o que vale e deve ser saboreada, seja qual for o preço. Isso é tudo o que temos como humanos, há milênios vagando pelo planeta em busca de resposta…

Sei que somos capazes de pesadelos tão horríveis, mas também de edificarmos sonhos majestosos, transformando a realidade. Essa é uma contradição curiosa, pois ao desenvolver um cérebro capaz de projetar, nos transformamos numa potência criativa de beleza e dor, nos separando das demais espécies que permaneceram coladas à biologia dos instintos e aos registros da natureza.  Passamos a olhar de frente para a existência, privilégio também muito questionável, dada a angústia extraordinária que isso gera.  Construímos igrejas, templos, fazemos guerras e nos drogamos com tantos e quantos alentos forem necessários para apaziguarmos esse grande mistério que é a vida. Produzimos arte, vamos ao espaço e nos unimos pela paz em momentos de grande ameaça e tragédia.  Contam que nesse cérebro (ou nessa mente, não importa agora), existe um ‘local’ chamado Inconsciente. Os da igreja mais radical da tribo ‘psi’ dizem ser um poço profundo de desejos irrealizáveis e buscas fantasmáticas condenadas a se repetirem por toda a vida, pois se constituiu dentro de um modelo ligado a um complexo edipiano que nunca será resolvido. Essa condenação eterna só encontrou alforria pra mim quando outra igreja concorrente disse que não era bem assim. Pra esta última, o Inconsciente é uma verdadeira usina de re-invenção de si mesmo, de superação e criação, jamais a carceragem limitada que a outra defende feroz com voz aveludada e metralhadoras feitas de jasmim e seda. Elas travam guerra pela posse da verdade até hoje, como qualquer igreja sempre fez…

Querem saber? Às favas com tudo isso agora. Peço a todos os loucos (bravos e mansos) de qualquer crença, às minorias que só gozam na clandestinidade, aos drogados reincidentes que espatifam qualquer teoria, putas, padres, pastores, candidatos ao suicídio, pais e mães gays que jamais se assumirão, bêbados de finais de semana que não se creem viciados e a todos os que têm dores intransponíveis na alma: saiam do inferno e aproveitem suas novas manhãs. É na jornada onde devemos extrair o néctar da vida, não no fim. É na liberdade de sermos o que somos e deixarmos que o outro seja o que deseja ser, que está o segredo da paz. Sempre haverá uma nova manhã após noites no inferno, isso eu garanto. Basta que não se desista, nunca…

Médico Psiquiatra com pós graduação pela Universidade Complutense de Madrid-Espanha e Servizio di Saluti Mental de Trieste-Itália; especialista em psiquiatria pela AMB e ABP. Mestre em Ciências da Saúde pela UNB.
Autor / Co-Autores: