CAOS: “Todo mundo tem a Bruxa e a Branca de Neve dentro de si”

Nesta segunda, 21 de agosto, a psicóloga Hellen Reis Mourão, esteve no Congresso Acadêmico dos Saberes em Psicologia ministrando o mini curso ‘Arquétipos da violência nos contos de fada’. Hellen é analista Junguiana e especialista em Mitologia e Contos de Fadas. Atua como psicoterapeuta, professora e palestrante de Psicologia Analítica e Contos de Fadas em São Paulo e Rio de Janeiro. Criadora do Blog Café com Jung e colaboradora do Portal (En)Cena – A Saúde Mental em Movimento. Recentemente, Hellen concedeu uma entrevista para o portal (En)Cena. Confira.

Durante o minicurso, Hellen apresentou a vida e obras de Carl Gustav Jung e seus conflitos até a criação da Psicologia Analítica, bem como as estruturas básicas do psiquismo recorrente da abordagem. Dessa maneira, os participantes tiveram o arcabouço necessário para compreender os aspectos humanos que favorecem a violência. De acordo com a Psicóloga, consciente e inconsciente se regulam, de modo que o Ego é o centro da consciência, com alto grau de continuidade e resistência. Porém, deve haver ligação entre o ego e o inconsciente.

Para a Psicologia Analítica, há duas camadas no inconsciente: o inconsciente pessoal e o inconsciente coletivo. O inconsciente pessoal seria formado principalmente de conteúdos emocionais que foram adquiridos individualmente, complexos e a sombra; enquanto o inconsciente coletivo seria uma camada mais profunda, inerente a todos os humanos contendo padrões universais, como os arquétipos e instintos. Desse modo, os arquétipos foram apresentados como componentes impessoais e coletivos sob a forma de categorias herdadas. São objetos de experiências vividas pela humanidade em um processo repetitivo.

O inconsciente possui a Sombra, um arquétipo que configura tudo o que desconhecemos, como um lado sombrio com conteúdos rejeitados pelo Ego, podendo ser coletiva ou individual. A Sombra seria todo o inconsciente, e tudo que reprimimos ao inconsciente seria projetado no outro, resultando em ações violentas, por exemplo.

Os contos de fadas, por sua vez representariam a expressão mais pura e simples dos arquétipos e do inconsciente coletivo, provocariam também uma revitalização dos processos inconscientes, pois restabeleceriam a conexão com a consciência. Neles são retratados inúmeros aspectos de maldade e violência, porém a busca atual por perfeição nos afastaria dos aspectos sombrios de nossa consciência, impedindo a ressignificação dos medos. Segundo Hellen, quanto mais conscientes dos nossos aspectos sombrios, menos dominados estaremos, de modo que se deve “olhar –para a sombra- mas não se identificar com ela”.

Nos contos de fadas o mal impulsiona a individuação sendo um aliado no crescimento e desenvolvimento do herói. Logo, se esses contos de fadas permitem ver os próprios aspectos através dos arquétipos, devemos assimilá-los e nos educarmos com nossas emoções sombrias, aponta Hellen. De acordo com a psicóloga “Tudo o que a gente reprime, vem do inconsciente, ganha mais energia”, pois “todo mundo tem a Bruxa e a Branca de Neve dentro de si”.

Para a acadêmica de psicologia Bruna Medeiros, que participou do minicurso, houve uma ressignificação da violência em vários âmbitos: “Pra mim antes violência era bater ou apanhar. Agora entendo que a violência é um elemento presente na nossa sociedade de forma tão suscita que tanta coisa é sinal e não percebemos”, aponta.

O Congresso

Durante os dias 21 a 25 de agosto de 2017, semana em que se comemora o Dia do Profissional de Psicologia, o Congresso Acadêmico de Saberes da Psicologia (Caos) acontece no Ceulp/Ulbra contando com uma série de atividades que se debruçam sobre um dos temas mais emergentes da contemporaneidade, a violência. Temas como ‘Manejo clínico de vítimas de violência doméstica’, ‘Violência no Trânsito’, ‘Prevenção ao Suicídio e automutilação’, ‘Violência nas redes: em que momento nos tornamos tão insensíveis ao outro?’, ‘Alienação Parental no contexto sociojurídico’, ‘Violência e Sofrimento Psíquico no Trabalho’ e ‘Mídia, Corpo e Violência’ serão alguns assuntos abordados, dentro de uma programação que envolve aproximadamente 30 atividades.

Serviço:

O que: Palestra e mesas-redondas

Quando: 21 a 25 de agosto de 2017
Onde: Auditório Central do Ceulp/Ulbra

Realização: Curso de Psicologia do Ceulp/Ulbra

Apoio: Conselho Regional de Psicologia – CRP-23, Prefeitura de Palmas, Jornal O Girassol, Psicotestes, GM Turismo, Coordenação de Extensão do Ceulp/Ulbra, Coordenação de Pesquisa do Ceulp/Ulbra.

Mais informações:

Coordenação de Psicologia: Irenides Teixeira (63) 999943446
Assessoria do Ceulp/Ulbra: 3219 8029/ 3219 8100
Programação e Inscrições: http://ulbra-to.br/caos/

Notícias do Evento: http://encenasaudemental.net/mural