Checklist de Mulheres Modernas – Porque modernidade exige critérios

Inicio esta crônica com um conselho a todas as mulheres, que esperam por um príncipe encantado e um casamento de conto de fadas, para que não desistam de seus sonhos. Afinal, acredito, sinceramente, que existam príncipes encantados e amor para toda a vida.

Mas, queridas, casem jovens porque com a maturidade nosso nível de exigências vai se aprimorando a patamares inimagináveis. É inevitável! Por isso, talvez, para nós, mulheres modernas, torne-se bem mais difícil encontrar o tão sonhado príncipe encantado.

Este episódio busca a reflexão acerca das exigências das mulheres modernas que, pelo seu grau de organização, criaram checklists dignas dessa crônica. Reflitam e se deliciem com a leitura.

Três amigas supermodernas resolveram marcar um encontro em um lugar aprazível, na capital do eterno sol do meio dia, para fazer o que mais amavam “conversar” e rir muito de suas aventuras do dia-a-dia.

Como a vida é repleta de novidades, mulheres conversam pelo whattsApp, skype, celular, porém, pessoalmente, tudo fica muito mais interessante, divertido e necessário. Então, observe que as mulheres, embora se comunicando rotineiramente, ainda, conseguem, depois das despedidas, passar horas conversando no estacionamento, antes de entrarem no carro. E , mesmo assim, voltam para casa com a sensação de que o tempo foi curto para tanta informação sobre os encantamentos dessa vida.

Nesta noite de encontro, assim que sentaram à mesa, foram surpreendidas com a visita de um amigo em comum. Como eram magnificamente educadas e gentis, convidaram-lhe para sentar. Convite aceito imediatamente com um sorriso de prazer e satisfação.

Recordem que citei, no início deste texto, que o encontro era para conversarem assuntos comumente pertencentes ao universo feminino, contudo aquela presença masculina fez com que os planos iniciais fossem alterados. Porém, como toda mulher moderna é camaleoa, mudaram-se as estratégias e houve adequação dos assuntos à nova realidade da noite. Então, passaram a conversar de futebol à UFC. Isso porque mulher moderna domina várias áreas do conhecimento, mesmo aquelas que julgam pouco interessantes.

Convenhamos que a noite possui seus mistérios insondáveis e imprevisíveis. Fato constatado, pois quando estavam conversando sobre o calor dantesco daquela noite, eis que o amigo surpreendeu com a pergunta inesperada “Por que vocês estão desacompanhadas nesta noite?”

Percebam que nas mentes masculinas, e na maioria das cabeças pensantes deste planeta, podem estar reunidas dez mulheres, entretanto se não houver os pares homem e mulher, sempre estaremos desacompanhadas. Logo, uma mulher não pode ser companhia para outra. Compreenderam?

Diante desta interrogativa tão paradoxalmente previsível e imprevisível, as amigas ficaram meio atônitas, mas como sempre estão preparadas para a guerra, existem sempre planos e respostas estratégicas para as situações mais adversas, como esta. Então, entreolharam-se de forma quase que mafiosa. Sabe quando você está jogando cartas e combina uma jogada pelo olhar? Esse foi o intuito daquelas mulheres que estavam armadas para ganhar esse jogo. Na realidade, dada suas extremas sensibilidades e apuros mentais, buscou-se uma convergência de pensamentos para uma resposta perfeita.

Porém, antes que respondessem, o amigo justificou “Acho que vocês são exigentes demais, por isso estão sozinhas”. Logo, percebeu-se que ele estava com forte artilharia para perguntas e constatações. Era preciso armamento argumentativo e persuasivo pesado para essa batalha de interrogativas e respostas.

– Claro que possuímos uma lista de exigências. Isso nunca foi segredo para ninguém. Qual a mulher inteligente que não possui critérios? – respondeu a mais ousada e femininamente impetuosa das três amigas.

– Se não é segredo, qual o checklist de cada uma de vocês? – desafiou o amigo.

Vou ser bem sincera que imagino, nesta hora, ter ocorrido um pouco de arrependimento por tê-lo convidado para sentar. Ser machadiana é tentador, sinceridade sempre é bom, vocês não concordam?

Ele nem teve tempo para fechar a boca, quando a amiga impetuosamente felina respondeu abruptamente, sem delongas ou hesitações:

– Item nº 1: obrigatoriamente deve ser inteligente, culto, bem humorado, goste de viajar, atencioso, gentil. Ah! Que nunca esqueça da data do meu aniversário e que me presenteie a qualquer dia, ainda que seja o Dia da Árvore. Minha existência seja sua alegria. Alguém que me surpreenda. Que seja homem de verdade, mas com sensibilidade.

O amigo conteve a gargalhada, mas não conseguiu omitir o sorriso ironicamente depravado quando retrucou:

– Parem de sonhar! Esse homem não existe. Vocês estão procurando as qualidades de uma mulher em um homem. Nenhum homem nesta galáxia é assim.

Exageros à parte, não vou mentir que, nesse momento, ao escrever este texto, meus pensamentos extrapolaram o sistema solar à procura desse homem ideal. Será que realmente, ele não existe?

A outra amiga, a mais programada de todas, acrescentou:

– Outro item obrigatório é a escolaridade, no mínimo, pós-graduado, caráter inegociável. Afinal, conversar com alguém sem conteúdo consiste algo inaceitável.

– Eu penso diferente, para mim só graduado é suficiente. Mas que seja inteligente. Porque há tantos homens cheios de títulos e sem conhecimento, por isso não sou tão exigente assim – discordou a amiga mais romântica de todas.

– Pois eu sou bem condescendente neste critério, pois para mim, ser inteligente, sagaz é o que basta. Por isso, se tiver ensino médio está ótimo – desabafou a amiga mais impetuosa de todas.

A mesa tremeu com essa fala. Foi como uma bomba que desestruturou os alicerces dos ideais da modernidade. Tanto que se falou em uníssono “Meu Deus! Você está baixando todos os critérios. Somos mulheres pós-graduadas, falamos mais de um idioma, publicamos trabalhos científicos. Precisamos nos valorizar”

A resposta foi, no mínimo, cômica:

– Baixar critérios? Vocês ainda não viram nada. Vou apresentar a vocês uma amiga que decidiu esquecer o critério “escolaridade”. Optou por um homem bem-humorado e que tenha “pegada”. Só isso! Para ela, qualquer semialfabetizado está valendo!

Foi uma comoção e um descontentamento geral. As outras duas amigas se sentiram como na Inconfidência Mineira. Aquela mulher do semialfabetizado era uma traidora, merecia, no mínimo, o exílio.

Para quem está lendo esse texto e se questionando “E o amigo que perguntou sobre o checklist e promoveu o enredo desta crônica? Informo-lhes que ele assistia a tudo com um olhar atentíssimo a todos os pronunciamentos feitos até o presente momento.

Então, como na arte da guerra, um dos segredos é O ATAQUE. Por isso, as três amigas se olharam mafiosamente, outra vez, e buscaram destruir o amigo com a pergunta que saiu da boca mais impetuosa como um míssil MOSKIT. Naquele momento, elas contemplavam o amigo como um destroier russo. A pergunta foi proferida com a velocidade de 3.600 km/h:

– E você não tem checklist? – perguntou-se com o hálito que exauria o odor da maldade e da vingança.

– Claro que tenho, mas minha checklist só possui dois itens – respondeu o amigo com uma calma que lembrou a música de Vinícius de Moraes.

 – O Item 1 é obrigatório: Ser MULHER. O Item 2 é fundamental: Gostar de sexo – finalizou o amigo que quase se tornou inimigo com esse arroubo de sinceridade e profanação das idealizações femininas.

Como disse Machado de Assis “Ao vencedor, as batatas”.

A amiga mais ousada resolveu arriscar o comentário que finaliza e potencializa esta crônica:

 – E ainda somos nós quem nos julgamos MODERNAS!

Elienai Ferreira de Oliveira
Mestre em Letras, com ênfase em Linguística. Professora de Comunicação e Expressão do CEULP/ULBRA. Amante das Letras e da Literatura. Colaboradora do (En)Cena.
Autor / Co-Autores: