A nau: gentes

“Aqui, a terra chora, derrama, fluidifica, encharca.”

Por Mardônio Parente

Médico psiquiatra, fotógrafo e sócio fundador da regional tocantinense da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores (SOBRAMES/TO). Mestre e doutorando em Psicologia pela UNESP/Assis. Professor no curso de Psicologia do CEULP/ULBRA.

 

Quatro dias de barco entre Manaus e Belém. Muita água! Tanta que, para um cearense como eu, acostumado a prolongadas estiagens, é difícil conceber, imaginar, ver. Aqui, a terra chora, derrama, fluidifica, encharca. Mas também há as pessoas – úmidas algumas, outras secas – quase sempre instigantes para meu olhar estrangeiro, belas mesmo no que nelas pode haver de mais horrendo. É difícil falar de cada uma. Resta-me a perplexidade e, claro, sobra-me olhá-las. Ei-las.

Mardônio Parente