Entre a lucidez e o espanto

“Aqui estou, coração desnudo para os expedientes do amor”.

Por Vladimir Alencastro Feitosa e Paulo Aires Marinho

As fotos de Vladimir Alencastro Feitosa foram realizadas na Igreja Matriz de Nossa Senhora do Rosário, na cidade de Pirenópolis – Goiás, no Carnaval de 2011 e seguem acompanhadas do texto do poeta e escritor Paulo Aires Marinho.

Agora sei que estou calmo, até posso ouvir um grilo que afina seu canto vespertino. Por aqui muitas pessoas já passaram: umas festivas; outras assustadas, sossegando feridas de uma noite sem clemência. Estou calmo, eu dizia, e lá fora ecoam cantos carnavalescos. Voltei aqui para beber uma paz sem nome, pois aprendi que às vezes o retorno é necessário. Aqui estou, coração desnudo para os expedientes do amor. Nenhum fantasma ronda meu diário de secreta alegria. Amanhã, estarei mais sereno ainda. Essa lua nova no meu olhar é como se um anjo impossível plantasse harmonia nos meus olhos entendidos em insônia. Depois da tempestade, vejo-me competente para a paz. Sem alarde, vou confessar esse assunto àqueles que sempre me quiseram vizinho da alegria.

Vladimir Alencastro Feitosa estudou publicidade e propaganda e fotografia no CEULP-ULBRA, e fez especialização na UNITINS. Atualmente é professor no curso de Comunicação Social do CEULP-ULBRA e Programador Visual da UFT.

Paulo Aires Marinho é Poeta e escritor. Ganhou o II Prêmio SESI Tocantinense de Poesia (1994). É autor dos livros “Cantigas de Resistência” (2003), “O Beijo de Vesúvio” (2007) e “Perto do Fogo – Trilogia do Amor, da Terra e da Esperança”. Atualmente reside em Palmas (TO).