O medo e o amanhã

Gritos ocultos e rostos do amanhã, imagens distorcidas de um futuro que ainda não chegou.

Formas longas e sem nenhum compromisso, rabiscadas com grafite num papel no chão.

Por hora era esta a visão: O medo e o amanhã.

Caminhos distantes dispostos na planície, lado a lado uma estrada rumo à escuridão: o desconhecido refletindo no horizonte. Um raio cinza ofuscando contra o azul distante do céu estelar.

Então eu cantei.

Mesmo sem sentir o som de palavra alguma, eu cantei.

Minha voz ecoava pelos cantos.

Na estrada de vidro, meus passos incertos na imensidão. A jornada de toda a minha vida refletida contra o chão, sem brilho e sem distinção.

No limiar, um balé de borboletas cortando o céu em duas fatias grandes: o hoje e o agora, dispostos em duas porções. Toda obra de uma mente doente, num surto de criação.

Um rabisco do que eu já fui, na certeza do que eu jamais viria a ser. Horas depois, pouca luz, e a constatação: O amanhã não chega ao anoitecer.

E fico pensando se há mais alegrias na morte, que a dor absurda da vida. E mesmo depois de minhas orações, a grande estrela que se apaga no arrebol.

O Chão trincando sob os pés, e um cinza nebuloso roubando a cena, que corre acelerada em câmera lenta. No mesmo instante, uma luz cintilante toca a terra, que se desfaz em dois pedaços: o presente e o agora.

Dispostos em duas porções, o sol já não ofusca a luz, e tudo é uma grande a aflição. Assim como é grande a força que comprime o peito. Assim como é grande a imensidão.

E sem ar o peito grita. Gritos mudos na multidão. Sem esperanças só me restam as lágrimas, quem vem me socorrer na escuridão.

catsRODAP

Hudson Eygo
Psicólogo, Coordenador do Serviço de Psicologia – SEPSI do CEULP/ULBRA, Coordenador da Área de Psicologia do Portal (En)Cena – A Saúde Mental em Movimento, e Colunista do Blog Psicoquê. E-mail: hudsoneygo@gmail.com
Autor / Co-Autores: