Sem explicação

sem explicação

Saudade

É sentimento involuntário. Não a controlamos. Não temos o poder de dizer: vai embora.

Ela vem sem pedir licença e quando chega fazemos de tudo para torna-la mais viva e real em nossos corações.

Procuramos um cheiro, uma palavra. Colocamos uma música para que ela fique mais gostosa e saborosa.

A saudade não é como a lembrança que mandamos embora quando queremos ou que ligamos a televisão para esquece-la.

A saudade é sentimento acima de tudo o que controlamos e podemos tocar.

É sentimento da alma. Que buscamos para aquecer e encher de vida o nosso dia, o nosso ser.

Saudade é dos poetas.

Das pessoas sensíveis

Do ser que enxerga além do que os olhos podem ver e as mãos podem tocar. (você é esse ser)

Quando ela vem só, sempre buscamos algo para acompanha-la e assim o nosso rosto sorri, nosso corpo se aquieta e nossa alma flutua…

A saudade como diz Fábio de Melo “é uma forma de ficar”.

Deixa perto de nós pessoas distantes.

Deixa dentro de nós pessoas que amamos.

O que fazer então com a saudade?

Pedir para que ela possa sempre invadir nosso ser e assim permanecer. Só assim podemos encontrar coisas e pessoas que nos fazem viver, mesmo que já não estejam entre nós.

A saudade é mistério, pois sentimos saudade até mesmo do que não tivemos. Sentimos saudades do que não fomos.

Como explicar isso? Impossível!

Somente quem sente pode entender porque sempre queremos ter saudade…

Rosely Camargo
Filha de Paraíso do Tocantins, membro fundadora da Academia de Letras de Paraíso do Tocantins - ALP. Autora dos livros: Meus Rabiscos (2004) e Com os Olhos da Alma (2013).