O início da vida escolar – cortando o cordão umbilical

O primeiro dia de aula é sempre mais difícil para os pais, que tendem a aguentar ou suportar a dor da separação, choro e gritos dos filhos. É comum que com essa mudança, a criança fique ansiosa ou assustada com o ambiente novo e desconhecido, protestando com manha e até greve de fome, isso se não soltar o maior berreiro na entrada da escola. As crianças costumam armar um verdadeiro teatro só pra não enfrentar essa situação.

“No início foi doloroso, a cada manhã era um sofrimento pois ele chorava bastante na entrada” diz Jaqueline de Oliveira, mãe de Luiz Felipe de 1 ano e 8 meses . Ela leva o filho à creche desde que o garoto tinha sete meses.

Jaqueline diz que o papel do professor é muito importante no desenvolvimento escolar da criança.  “Eles chegam e são recepcionados pelas professoras com festa, com carinho, lá eles praticam atividades de educação física, ensina a brincar de bola, rolar no chão, subir nos degraus, ensinam atividades com músicas, com tintas, tudo muito bonito.” A mãe, satisfeita com a atuação da escola, diz ainda que “é tão bom chegar na escola e ver meu filho dando os braços para a professora, nesse momento tenho certeza que ele é bem cuidado, que recebe carinho e que tem confiança nelas”.

Olivia Vieira, mãe de Lucas de 1 ano e 10 meses, ao levar o filho pela primeira vez viu que não é fácil conciliar o trabalho com a rotina do filho na creche.  “Acordar cedo, fazer mamadeira, dar banho, vestir uniforme, arrumar o lanche na lancheira, arrumar a mochila, levar na escola e ir para o trabalho. É puxado, mas aos poucos vou pegando o ritmo.”

Olivia e o filho Lucas no primeiro dia de aula.
Foto: Arquivo pessoal

É um momento tenso e delicado também para o professor, que tem um papel fundamental  nesse período escolar. É preciso usar a  criatividade e atividades para que as crianças fiquem a vontade no  novo ambiente e se acostumem com a ausência dos pais.

Nubia Cristina além de ser professora também é mãe de duas crianças, uma de 6 e outra de dois. Ela diz que a adaptação é uma questão de tempo. “Alguns casos é mais doloroso para os pais, principalmente quem tem filhos pequenos”. A professora conta que  “geralmente a dificuldade da criança é  em relação a primeira ida a escola, é sair do conforto de casa para ir a um ambiente novo, com pessoas que ela nunca viu, mas com o passar dos dias isso vai melhorando e logo ela se acostuma com a rotina”.

É uma etapa de adaptação. “É uma transição difícil de adaptação, muitos pais ainda não confiam em deixar seus filhos sozinhos, ano passado teve uma criança que ficou apenas 3 dias e o pai a tirou da creche, os pais tem que ter consciência que esse período leva tempo pra se adaptar”,  acrescenta Mara Regina, Psicopedagoga e Professora.

Mara Regina é professora de crianças de 1 a 3 anos, diz que a adaptação escolar leva tempo.
Foto: Arquivo Pessoal

Hoje a criança passa maior parte do dia em ambiente escolar, por isso a escola também tem o dever de oferecer profissionais competentes que trabalhem para o desenvolvimento pedagógico das crianças com atividades lúdicas que favorecerá para o resto da vida escolar. E esse processo para ocorrer de forma tranquila tem que ter uma parceria entre escola, pais e professores. “Nesse momento é indispensável a parceria, o envolvimento, a compreensão  dos pais,pois muitas vezes eles também se sentem apreensivos, receosos se a criança irá gostar, se adaptar no ambiente escolar. Os pais devem sempre procurar o contato com a equipe da escola(orientador, supervisor, diretora e professores), para juntos buscarem alternativas para suprir as dificuldades encontradas”, confirma Sueli Maria Araújo Silva, Orientadora Educacional  especializada em Neuropedagogia e Psicanálise do Centro Municipal Educacional Infantil (CMEI) Amâncio José de Moraes em Palmas (TO).

Sueli ainda dá algumas dicas que podem ajudar na adaptação da criança na vida escolar:

– Se possível levar a criança antes do inicio das aulas para que ela conheça o ambiente.

– Sempre que possível a família  deve ter  conversas com a criança acerca da escola,mostrando gravuras, fotos,vídeos e etc.

– Acompanhar sempre  e continuar com as atividades em casa feitas na escola pra que ela se sinta a vontade no ambiente escolar.

– Parceria com a família,os pais devem procurar a equipe da escola ou creche para conversar, buscando soluções para as dificuldades detectadas.

– Uma boa acolhida por parte da escola e atividades diversificadas que favoreçam a socialização.

Olivia acha que o papel da escola é passar confiança para os pais.  “O ideal é confiarmos nos cuidadores e sairmos para eles se adaptarem ao novo espaço, aos novos colegas e professoras”, defende.

Para Jaqueline, o papel dos pais nesse momento é ser  participativo, acompanhando, desenvolvendo e colaborando nas atividades escolares dos filhos.

Jaqueline se emociona ao levar o filho Luiz Felipe à festa junina na creche.
Foto Arquivo Pessoal

“Procuro dar continuidade ao trabalho dos professores, cantando as mesmas músicas, as mesmas brincadeiras e histórias que envolvam os colegas e professores para que ele fique habituado com essas pessoas. Mesmo sendo bebê costumo levá-lo em todas as festinhas. Ano passado participamos da festinha de encerramento onde ele dançou a música “O rock das frutas, ele era o caju (risos)”, finaliza.

Encena
Perfil administrativo do portal (En)Cena. (63) 3219-8078 | 8072 (Irenides) / (63) 3223-2016 (Hudson) encena@ceulp.edu.br