Projeto Maluco Beleza, de Campinas, cria interações entre usuários e comunidade

Alguns dos integrantes do Maluco Beleza presentes na Mostra; à frente, a coordenadora Carla
Foto: Paulo André Borges 

 

A produção cultural através de programas de rádio e de audiovisual foi a forma que o Hospital Psiquiátrico Dr. Cândido Ferreira, de Campinas, encontrou para fomentar a interação entre os usuários do CAPS e/ou serviços do hospital e a comunidade local.

O início da empreitada ocorreu há 12 anos, quando foi implantado o projeto “Maluco Beleza”, inicialmente apenas com o programa de rádio. Durante todo este período, semanalmente vem gravado um programa que é veiculado pela Rádio Educativa FM de Campinas, emissora que pertence a Prefeitura da cidade. Na IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/Saúde da Família, em Brasília, uma equipe do projeto esteve presente para ajudar na cobertura do evento e também para mostrar um pouco de suas práticas.

De acordo com a coordenadora do projeto, a jornalista Carla Barreira, a abertura que o projeto recebeu da Rádio Educativa FM, ajudou o Maluco Beleza se tornar ponto de cultura municipal em 2008. “A partir disso, conseguimos uma estrutura de rádio, e também começamos oferecer cursos. Inicialmente as ações eram para atender apenas os usuários do Hospital Dr. Cândido, mas mais à frente abrimos os cursos para toda a comunidade”, diz Carla, para acrescentar que pouco depois o projeto transformou-se em ponto de cultura estadual e uma nova etapa foi implantada; eles receberam uma ilha de edição de vídeo, para produções em audiovisual, e foram feitos alguns curtas-metragens envolvendo usuários e a comunidade.

No ano de 2010 o projeto avança e marca presença na internet através de uma rádio on-line. “Então passamos a fazer 28 programas que são totalmente produzidos por usuários da saúde mental, comunidade, um grupo de idosos, e um grupo de adolescentes em situação de risco”, explicou Carla. E a ação vem surtindo efeito, pois de acordo com a coordenadora Carla Barreira, hoje muita gente na cidade de Campinas conhece o trabalho, “e tem gente que até espera a nossa participação no carnaval, já que temos um bloco. Os jovens interagem conosco, sempre vem alguém procurando saber um pouco mais”, comenta Carla, para destacar, também, que “obviamente, dependendo do lugar onde se fale de saúde mental, o preconceito ainda existe, ainda vai haver resistências. No entanto, em Campinas e nos locais onde somos convidados a apresentar nosso trabalho, a recepção sempre é muito calorosa”.

 

Foto: Paulo André Borges

 

Para participar da IV Mostra Nacional de Experiências em Atenção Básica/Saúde da Família, o Maluco Beleza veio com 11 pessoas. No local, o grupo participou do “Ponto de Encontro” onde apresentou as experiências geradas na rádio, além de ajudar na comunicação colaborativa do evento, apresentar uma oficina e gravar um programa de rádio, que será veiculado em breve na Educativa FM de Campinas. “O objetivo, além da nossa participação nos debates, foi trazer os usuários para fazer a cobertura, já que todos estão qualificados pelas oficinas feitas anteriormente e, aqui, poderão produzir material que será veiculado em Campinas”, destaca Carla.

O projeto Maluco Beleza é aberto a qualquer pessoa interessada em colaborar ou participar das produções. Os CAPS da cidade de Campinas e o próprio Hospital Dr. Cândido também encaminham seus pacientes para o local. “É super aberto, não há dificuldades. Chegou, teve vontade de participar, nós o/a acolhemos rapidamente. Quando a pessoa quiser sair, sai a hora que quer e volta a hora que quer”, esclarece Kátia, que também falou da preocupação de se oferecer, além da rádio, produções em audiovisual, para que mais pessoas possam se identificar com as ações oferecidas.

 

Sobre o projeto

O Maluco Beleza é mantido com a ajuda do Hospital Dr. Cândido Ferreira, além de eventualmente captar os recursos oferecidos pelos editais de apoio do Governo de São Paulo e do Governo Federal. Contribuições voluntárias, de pessoas físicas ou jurídicas, também são bem-vindas.

A grade de programação da rádio é alterada a cada quatro meses, possibilitando a inserção de novos projetos. Propostas inéditas são analisadas por um Conselho da rádio, que é formado por funcionários e usuários do Ponto de Cultura. A inauguração da rádio on-line na saúde mental foi um acontecimento histórico, marcando uma conquista no cenário nacional. Mostra a transformação da instituição psiquiátrica de uma forma diferente, pois exibe pessoas em tratamento que conseguiram protagonizar e inaugurar uma rádio. (Com informações do site do projeto)

 

Para saber mais sobre o projeto, acessar http://www.candido.org.br/projetos-institucionais/comunicacao/radio-on-line

Sonielson Luciano de Sousa
Bacharel em Comunicação Social (CEULP/ULBRA), filósofo (Univ. Católica de Brasília), pós-graduado em Docência Universitária, Comunicação e Novas Tecnologias (Unitins), estudante de Psicologia (CEULP/ULBRA), especialista em Jornalismo Cultural, é editor do jornal e site O GIRASSOL, colaborador do (En)Cena e do Portal Educação, e atua como coach (SBC-SP).