carta-de-despedida

Amores que Enlouquecem

Cartas de amor amareladas, ruídas por traças, muitas delas sem qualquer lógica, contendo erros crassos, palavras afrancesadas e desenhos esquisitos… Isso era quase tudo o que havia sobrado na caixa de papelão empoeirada que pertencia à falecida moradora de uma Residência Terapêutica (lar para pacientes psiquiátricos crônicos). O nome era Helena e falecia aos 78 anos de infarto agudo do miocárdio. Um sobrinho distante veio cuidar do sepultamento e pegar os poucos pertences. Ao ver a caixa emocionou-se e contou uma história que corria na família, mas que ninguém sabia ao certo se era verdade até aquele momento. Ao ler parte das cartas, pôde constatar que tudo era de fato real…

Dona Helena na juventude foi famosa pela beleza e elegância, não menos que pela cabeça dura e as idéias de vanguarda. Morava no Rio de janeiro em plenos anos 50 onde a atmosfera cultural e charmosa da cidade vivia momentos de glória. Certa tarde foi passear com uma amiga e decidiram tomar café na famosa confeitaria Colombo, local de artistas, intelectuais e socialites do Rio. Quando entrou, uma multidão de repórteres veio ao seu encontro, frenética e afoita, tirando fotos e com microfones para entrevistá-la. Espantadas, ela e a amiga, não sabiam o que dizer, até que em meio à confusão compreendeu que havia sido confundida com a famosa miss Brasil – 1954, Marta Rocha, cuja semelhança não se duvidava. Helena era de fato uma jovem deslumbrante.

Desfeita a confusão, já sentada, um repórter francês vislumbrado com sua beleza insistiu em conhecê-la e acabou conquistando um longo tempo de conversa animada, parte em português, parte em francês. Daquele encontro brotou uma grande paixão! Ambos não pararam mais de se corresponder por carta ou telefone. Tiveram alguns encontros sob a reprovação severa da família de Helena. Voltou para a França, mas de lá continuaram a se comunicar. Decidido, pediu sua amada em noivado e disse que a intenção era mesmo se casarem. Ela prontamente aceitou. Os pais, de família tradicional da nata carioca, foram terminantemente contra e a proibiram de falar ou ver novamente aquele estrangeiro aventureiro sem pedigree. Ambos se desesperaram, mas o francês bateu o pé que viria ao Brasil, não medindo esforços para desposá-la.  A família em pânico a levou para uma propriedade na zona rural fluminense. Ele, sem titubear, veio ao Rio, pegou um táxi e foi ao tal local pedir a mão de Helena. Seu pai ameaçou chamar a polícia e a expectativa passou a ser enorme.

Desafortunadamente, já no trajeto da fazenda, o carro em que ia capotou, morrendo na hora ele e o motorista. Quando Helena soube, teve uma forte crise nervosa que para infelicidade dela e dos familiares desdobrou-se numa doença mental mais grave que nunca mais se remitiu. Passou a internar-se em sanatórios e tomar altas doses de medicamentos. Tinha delírios, alucinações e progressivamente se distanciou da realidade. O único elo que manteve, ao longo de décadas, foi escrevendo cartas e mais cartas de amor ao amado repórter francês que jamais esqueceu. Achava, porém, dentro de sua fraqueza mental, que escrevia e mandava as cartas, mas na realidade as guardava numa caixa de papelão bem escondida. Centenas delas, umas planejando a cerimônia do casamento, outras falando dos filhos que nunca tiveram e das viagens pelo mundo que jamais ocorreram. Em algumas, com certa lucidez, quando se dava conta que sua vida também tinha se acabado naquele acidente, expressava a dor imensa planejando o suicídio, fato que realmente tentou por três vezes. Helena, ao final, morre louca e esquecida aos 78 anos, enjaulada por toda vida num amor que nunca fora vivido… Jamais me esqueci desta triste história verídica.

Penso também em quantas pessoas se encarceram em amores e relacionamentos que já acabaram e levaram junto deles esperanças, sonhos e desejos… Amores existem para trazer vida, não morte, do contrário não vale à pena. Vida é movimento, e movimento é mutação, mudança, libertação. O engessamento de conceitos e afetos é a própria morte em vida, assim como dona Helena o fez. Pobre dela, pobre de quem se aprisiona em amores loucos que mortificam e aprisionam a existência num imenso e obscuro vazio.

Médico Psiquiatra com pós graduação pela Universidade Complutense de Madrid-Espanha e Servizio di Saluti Mental de Trieste-Itália; especialista em psiquiatria pela AMB e ABP. Mestre em Ciências da Saúde pela UNB.
Autor / Co-Autores: