A dor da partida em Mogli – O Menino Lobo

Com uma indicação ao OSCAR:

Melhores Efeitos Visuais

Banner Série Oscar 2017

Lançado em 2016, Mogli – O menino lobo, é um filme (baseado na série literária de Rudyard Kipling) que conta a história de um garoto que fora criado por lobos, distanciado da sociedade e de qualquer referência humana. Inicia apresentando a vivência de Mogli na floresta, onde se adaptou para viver como os outros animais, em especial, a sua família/alcateia. Entretanto, Mogli e sua família possuem um inimigo, o temido tigre Shere Khan. Esse deseja matar o garoto, uma vez que acredita que ele e sua raça são os responsáveis pela destruição da floresta.

Imagem4

Mogli é um exemplo louvável de que o humano é um ser biopsicossocial, ou seja, dotado de várias instâncias (biológica, psicológica, social, cultural, histórica), que influenciam mutuamente no desenvolvimento do indivíduo. Mesmo com a genética humana, ele sobreviveu e se desenvolveu em um ambiente sem intervenção humana. Os afetos, de Mogli pelos animais e vice-versa, foram bem desenvolvidos, provando o dito de que “família é quem cuida”.

Impelido pelo perigo iminente, representado por Shere Khan, Mogli se vê na obrigação de se afastar da floresta e procurar pela sua raça. Não porque ele desejasse conhecê-la ou estivesse insatisfeito com a vida na floresta, mas porque não queria oferecer riscos para a família que tanto o amou e o cuidou até então. Por amar, foi obrigado a partir. E então, começam as grandes aventuras esperadas no filme.

Imagem5

Fica bem claro nesse momento as angústias, anseios e temores de Mogli. Ora, nunca havia ido muito além da floresta e, de repente, a única opção que lhe resta é seguir em frente, quase sozinho e sem poder voltar. “Quase sozinho” porque contou com a ajuda da pantera negra Bagheera, que sempre aparecia nos momentos mais complicados para Mogli, tentando ao máximo afastá-lo dos perigos, inclusive do tigre malfazejo.

Durante sua jornada, Mogli também se depara com Baloo, um urso esperto que, ao perceber a utilidade do garoto, faz de tudo para mantê-lo por perto. Com segundas intenções ou não, o que importa é que Mogli agora conta com uma companhia a mais, além de uma ajuda para enfrentar os desafios que surgirem pelo caminho e com quem aprendeu que “necessário, somente o necessário, o extraordinário é demais! ”

Imagem2

Com muita aventura, aprendizado e também muitos perigos, Mogli representa bem a temida partida, vivenciada por muitos jovens e adolescentes quando chega a hora de sair de casa e explorar o mundo. Assim como o menino lobo, esses jovens passam por anseios, temores, angústias, perigos e, principalmente, medo do desconhecido. A dor de “abandonar” o lar também é perturbadora, contudo, necessária. Dessa maneira, torna-se possível adquirir maturidade, autonomia e autoconhecimento. O retorno para o lar se torna esperado pela família que anseia e deseja ver esse filho alcançando os objetivos de vida, tendo a certeza de que seus esforços e cuidados valeram a pena.

FICHA TÉCNICA DO FILME: 

Imagem1

MOGLI – O MENINO LOBO

Diretor: Jon Favreau
Elenco: Neel Sethi, Scarlett Johansson, Idris Elba, Bill Murray
País: EUA
Ano: 2016
Classificação: Livre

Psicóloga em formação no Centro Universitário Luterano de Palmas - CEULP/ULBRA e estagiária no Portal (En)Cena
Autor / Co-Autores: