Carl Gustav Jung e o Processo de Individuação

cats

O processo de individuação começa com um choque de realidade para o ego, que começa a perceber que não é o “dono de sua própria casa”. Existem outras forças que até então permaneciam ocultas no inconsciente e que são mais fortes do que, os chamados complexos. É nesse momento, no confronto com essas forças, que a máscara da ilusão cai. O ego precisa aceitar sua parte sombria e aceitar que não é o centro da psique.

Nos contos de fadas o início do processo de individuação ocorre quando a mãe boa morre e entra em seu lugar uma madrasta ou bruxa, obrigando o herói ou heroína a ir embora em busca de sua autonomia e autoconhecimento.

1537559_346502112157561_1296932436_oPodem aparecer também o diabo, bruxos e outras figuras maléficas. Mas o começo da individuação se dá com a retirada da identificação parental.

O objetivo de tudo isso é fazer com que o indivíduo se torne a pessoa que realmente é. É o momento de busca de si mesmo do autoconhecimento. Nesse instante começa um relacionamento entre o inconsciente e consciente, que se concretiza por meio de um símbolo, que os une.

Mas esse não é um processo de aceitação de si mesmo apenas. O indivíduo, além de se conhecer, deve se colocar no mundo. Ele deve buscar o equilíbrio entre as demandas do mundo interno e externo. Sua individualidade deve estar a serviço de um bem maior. Uma vez que, individuação não é individualismo.

Em Tipos Psicológicos JUNG diz:

“A individuação é um processo de diferenciação que tem por meta o desenvolvimento da personalidade individual. Assim como o indivíduo não é um ser isolado, mas supõe uma relação coletiva com sua existência, do mesmo modo o processo de individuação não leva ao isolamento, mas a um relacionamento coletivo mais intenso o geral.”

Se tornar si mesmo não significa tornar-se perfeito, mas pleno, completo, com as dores e delicias de ser quem se é. Aceitando-se e se corrigindo.

ego
pensesonheviva.blogspot.com

Primeiro há o encontro com nossa sombra – aquilo que queremos esconder do mundo e de nós mesmos; depois o encontro com o outro diferente de nós (anima e animus) e também com a força que nos sustenta e que é maior que nós; a força que impulsiona ou trava o nosso caminho, mas que insiste em nos levar ao nosso destino, o Self. Depois disso temos que nos relacionar com o coletivo e saber incorporar em nossas vidas todo o aprendizado que tivemos com esses aspectos interiores.

A humildade é primordial nesse processo. Ela nos faz lembrar que o importante não é não errar, mas procurar não cometer o mesmo erro. É sempre buscar erros novos, para uma ampliação de consciência. Não esquecendo que a mudança é sempre provisória.

O processo de individuação é constante, não tem fim e seu objetivo máximo é nos tornar mais humanos.

A individuação é inevitável e seu resultado é incerto. É mais fácil idealizá-la do que realizá-la. Porém, mesmo sentindo-se pequeno para empreender essa árdua tarefa, lembre-se que cada indivíduo possui recursos suficientes para tanto e que seu esforço gerará frutos para uma transformação tanto pessoal quanto coletiva.

Hellen Reis Mourão
Psicanalista Clínica com pós-graduação em Psicologia Analítica pela FACIS-RIBEHE, São Paulo. Especialista em Mitologia e Contos de Fada. Colaboradora do (En)Cena.
Autor / Co-Autores: