Estrelas Além do Tempo: a luta contra o preconceito rumo ao progresso social

Com três indicações ao OSCAR:

Melhor Filme, Melhor Atriz Coadjuvante (Octavia Spencer), Melhor Roteiro Adaptado (Allison Schroeder e Theodore Melfi). 

Banner Série Oscar 2017

“O que estou te pedindo, pedindo a todos nessa sala, é para olhar além dos números. Olhar ao redor deles. Através deles. Para ter respostas de perguntas que nem sabemos formular”.

Estrelas Além do Tempo, com o roteiro e direção de Theodore Melfi, é um filme baseado em fatos reaise inspirado no livro “Hidden Figures”, de Margot Lee Shetterly. O filmeconta a história de três mulheres negras: Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (JanelleMonáe), que se mostram fundamentais para os Estados Unidos em sua trajetória de corrida espacial realizada pela NASA.

Katherine Johnson (Taraji P. Henson)
Katherine Johnson (Taraji P. Henson)

A história se passa em Hampton, na Virginia, na época da Guerra Fria, com a União Soviética e os Estados Unidos disputando o primeiro lugar na corrida espacial. Na mesma época, o filme mostra a separação que existia entre “pessoas de cor”, ou seja, negras, e “pessoas brancas”. Katherine, Dorothy e Mary fazem parte do grupo das “matemáticas de cor” da NASA. A clara segregação, além do fato de serem mulheres em uma época extremamente machista, aponta a dificuldade de Katherine, Dorothy e Mary em suas carreiras.

Katherine Johnson é o que pode ser definido como“gênio da matemática”. Desde pequena Kathery se destaca por sua habilidade com os números, conseguindo, inclusive, bolsas de estudo em boas escolas. Por saber Geometria Analítica e por ser uma boa matemática, Kathery entra para o Grupo de Missão Especial da NASA, em um projeto que tem por objetivo o lançamento do astronauta John Glenn no espaço.

Mary Jackson (Janelle Monáe)
Mary Jackson (Janelle Monáe)

Mary Jackson é solicitada para fazer parte da equipe de testes do protótipo da Mercury 7. O nome “Mercury” vem de mercúrio. Mercury 7 era uma pequena cápsula de mercúrio onde caberiam sete astronautas, que foram escolhidos um a um por conta do tamanho da cápsula [1]. Mary é encorajada a entrar no programa de treinamento de engenheiros, e para isso, enfrenta dificuldades, pois apesar de ter bacharelado em Matemática e Ciências Físicas, precisa entrar na justiça para conseguir fazer uma pós-graduação pela Universidade de Virgínia, que, por causa da segregação, não aceita “pessoas de cor”.

Enquanto Kathery e Mary se destacam e são realocadas do grupo das matemáticas de cor, Dorothy Vaughn continua em seu cargo, sem ser, inclusive, reconhecida por estar fazendo trabalho de uma supervisora. Dorothy descobre sobre um computador da IBM que será implantado na NASA, que tem por objetivo realizar inúmeros cálculos em fração de segundos [2].

Dorothy Vaughan (Octavia Spencer)
Dorothy Vaughan (Octavia Spencer)

Impulsionada por sua curiosidade, Dorothy vai em busca de conhecimento sobre o IBM e descobre como fazê-lo funcionar, ao contrário dos engenheiros responsáveis por essa atividade, que fizeram inúmeras tentativas fracassadas. Por sua facilidade e destaque na programação, Dorothy é, então, reconhecida e chamada para ser realocada para a equipe de programadores do IBM, aceitando o cargo apenas com a condição de poder levar suas companheiras de trabalho do grupo das matemáticas de cor.

O filme retrata, também, parte da revolução que ocorrera naquela época, no meio de uma eleição presidencial onde é destacada a candidatura de John Fitzgerald Kennedy (1917-1963). Manifestantes se mostram resistentes ao racismo, lutando contra a segregação do estado e buscando, desta forma, a igualdade entre pessoas negras e brancas. Enquanto exigem seus direitos como cidadãos americanos, o filme mostra a enorme diferença entre pessoas brancas e pessoas negras, que apenas podiam usar banheiros, ônibus, bebedouros e pegar livros em bibliotecas em suas chamadas “áreas para os de cor”.

Da esquerda para a direita: Mary Jackson (1921-2005), Dorothy Vaughan (1910-2008) e Kathery Johnson (nascida em 1918). Fonte: NASA
Da esquerda para a direita: Mary Jackson (1921-2005), Dorothy Vaughan (1910-2008) e Kathery Johnson (nascida em 1918). Fonte: NASA

Kathery Johnson se aposentou em 1986 e foi homenageada com diversos prêmios por seus feitos. No ano de 2015, recebeu a maior honra dos Estados Unidos, a Medalha Presidencial da Liberdade [3]. Mary Jackson se tornou engenheira e se aposentou na NASA no ano de 1985. Dorothy Vaughan, devido à sua habilidade com a programação, tornou-se programadora especialista em uma linguagem computacional chamada FORTRAN e aposentou-se em 1971. [3]

hidden-figures-poster

Através das conquistas de Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson, as diferenças sociais que existiam dentro da própria NASA foram sendo desfeitas pouco a pouco e as mulheres puderam adquirir mais visibilidade em um meio anteriormente tão dominado por homens brancos. Isto reflete na importância do empoderamento feminino, que busca o fortalecimento da mulher e a luta pela igualdade de gênero; e na importância de se colocar em pauta assuntos relacionados ao racismo, para que não haja diferenças, tanto sociais como econômicas, entre pessoas brancas e negras.O não contentamento das minorias na época repercutiu em uma sociedade menos desigual e que busca pelos direitos de todos, transformando, assim,o que antes era extremamente preconceituoso e sexista, em um meio social mais igualitário.

REFERÊNCIAS:

[1] http://gizmodo.com/5205915/the-magnificent-mercury-seven-nasas-first-astronauts-50-years-ago-today

[2] http://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/02/licoes-filme-estrelas-alem-do-tempo.html

[3] http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/a_historia_das__-estrelas_alem_do_tempo-_reais_da_nasa.html

FICHA TÉCNICA DO FILME:

hidden_figures_cartaz

ESTRELAS ALÉM DO TEMPO

Diretor: Theodore Melfi
Elenco: Taraji Henson, Octavia Spencer, Janelle Monáe, Kevin Costner,  Kirsten Dunst
País: EUA
Ano: 2016
Classificação: Livre

Karoline Dias
Acadêmica do curso de Ciência da Computação do CEULP/ULBRA. Participante-fundadora do Projeto ITGirls dos cursos do Departamento de Computação do CEULP/ULBRA.