Moonlight: Um Olhar Sobre o Masoquismo

Concorreu com oito indicações ao OSCAR:

Melhor Filme, Melhor Diretor (Barry Jenkins), Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali), Melhor Atriz Coadjuvante (Naomie Harris), Melhor Roteiro Adaptado (Barry Jenkins), Melhor Fotografia (James Laxton), Melhor Edição ( Joi McMillon e Nat Sanders), Melhor Trilha Sonora (Nicholas Britell).

Vencedor nas categorias:

Melhor Filme, Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali) e Melhor Roteiro Adaptado (Barry Jenkins).

Banner Série Oscar 2017

Leia Moonlight: sob a luz de Narciso – Parte 1

Chiron é um adolescente da periferia, tímido e acuado, que sofre bullying desde a infância. É filho único de uma mãe viciada em crack que se prostitui para manter o vício. Pela condição da mãe, desde cedo Chiron aprendeu a se virar sozinho (Parte 1).  Ao fugir de um grupo de garotos, é encontrado por Juan, um traficante, que junto com sua namorada Tereza, “adotam” Chiron e começam a dar suporte financeiro e emocional a ele. Mesmo assim, é sua relação com a mãe que definem, realmente, a personalidade do garoto, que chega à adolescência cheio de conflitos, pessoais, familiares e sociais.

O comportamento submisso de Chiron em sua relação com a mãe também se apresenta nas interações sociais. Na escola o bullying continua ferindo-o e, apesar de crescido, ele continua sendo chamado de Little, mas não gosta do apelido. A timidez de Chiron permanece gritante e sua sexualidade, reprimida.

Imagem6

Em um sonho ele observa Kev, o amigo de infância, transar com uma garota por trás, uma clara alusão ao sexo anal e uma revelação inconsciente de seus desejos homossexuais latentes. O sonho se dá logo após Kev relatar detalhes de uma transa com uma colega dentro da escola.

O desejo implícito de Chiron por Kev é bastante plausível. O amigo é o único que desde a infância lhe dá atenção; sendo bom de briga, tentou ensiná-lo a lutar para se defender dos colegas; também é o único que não o chama mais pelo apelido de infância (Little), mas lhe confere um outro status de grandeza ao chama-lo de Black, algo que intriga Chiron, afinal por que ele lhe coloca apelidos que não conferem com sua representação? Que intimidade é essa que lhe invade a alma sem permissão?

Imagem5

A baixa autoestima do adolescente continua a isolá-lo de todos e seus conflitos internos se intensificam. É no mar, onde Juan o ensinou a nadar, que ele busca refúgio, sob a luz do luar e a brisa da solidão. Mas é ali também que Kev aparece para tira-lo da água e apresenta-lo ao fogo. A água para Chiron simboliza não apenas o acolhimento de Juan, mas faz alusão ao ventre materno e à ligação simbiótica com a mãe, da qual ele nunca conseguiu se desvencilhar, aquela à cujo desejo ele continua escravo numa eterna tentativa de satisfaze-la para em troca conseguir, em seu olhar de aprovação, reconhecer a si mesmo e experimentar a sensação de pertencer ao mundo.

O fogo a que Kev se refere vai além do baseado com o qual provoca o amigo, também, é sob o efeito deste que eles compartilham suas angústias e se tornam mais íntimos. É ali mesmo que Chiron tem sua primeira experiência sexual, com o amigo.

Imagem4

Como bem disse Augusto dos Anjos, “a mão que afaga é a mesma que apedreja” [1].

Freud constata: “Nunca estamos tão mal protegidos contra o sofrimento como quando amamos, nunca estamos tão irremediavelmente infelizes como quando perdemos a pessoa amada ou o seu amor.” Acho essas frases são notáveis porque elas dizem claramente o paradoxo incontornável do amor [2].

Ainda embebecido com a nova situação, Chiron é surpreendido quando os valentões da escola provocam Kev, o exibicionista, que topa o desafio de bater em alguém, o alvo: Chiron, que em seu silêncio apanha e se levanta repetidas vezes até que lhe é desferido o golpe final e os colegas o espancam.

O choque pode ter reproduzido em Chiron o trauma do abandono materno, a primeira pessoa que devendo ama-lo o rejeitou, impedindo-o de experimentar a completude. Kev refez o mesmo caminho na mãe, fazendo-o acreditar no amor, trazendo a esperança da completude e, em seguida, e rejeitando-o. Na impossibilidade de significar tamanha dor, pela primeira vez, o garoto reage oferecendo a outra face.

Imagem3

Durante toda a vida, Chiron se permitiu ser a vítima, ocupando uma posição claramente masoquista diante da vida. A força do trauma faz com que ele reaja, masoquisticamente, mas desta vez com uma dose de sadismo. Fromm [3] afirma que tanto o sadismo como o masoquismo têm sua origem na relação simbiótica entre a mãe grávida e o bebê e, por isso, caminham lado a lado. Nem Hittler escapou à isto.

Hitler reagia primordialmente de maneira sadista para com o povo, mas masoquistamente para com o destino, a história, o “poder mais alto” da natureza. Seu fim — o suicídio em meio à destruição geral — é tão característico quanto o foi seu sonho de sucesso, de dominação total. (Fears of Escape from Freedom, E. Fromm, Londres, Routledge, 1942).

No momento do confronto, o que se vê é Chiron chegando ao limite da dor psíquica experimentada até então em sua posição humilhante, a cada vez que se levanta ele coloca a cara a tapa e se entrega à violência como se quisesse não apenas ver até onde vai, mas buscando o fim. Por outro lado, seu olhar não é mais o mesmo, mas encara o oponente, deixando claro que por sua dor também o fará sofrer.

Imagem7AImagem7BImagem7C

“O eu se atormenta a si mesmo, faz mal a si mesmo para saber o que sentirá o Outro atormentado. É ali que Freud utiliza o verbo na sua forma reflexiva: “ atormentar-se a si mesmo”. Compreendemos assim que o nosso terceiro tempo do sadismo propriamente dito comporta dois momentos: o de fazer mal a si mesmo e o de fazer com que o Outro experimente a mesma dor que se sentiu.” (Nasio, 1997) [4].

É por isso que, mesmo diante do pedido de Kev para que se mantenha ao chão, ele se coloca em pé repetidamente, a cada vez que se levanta ele se fortalece. Seu olhar inicial, assustado e evitante, vai se tornando mais seguro, firme, altivo, como quem sabe o que quer, e ele quer com a sua dor provocar a dor do outro, como quem busca colocar um ponto final em sua atitude passiva (masoquista) passando então para uma posição ativa (sádica).

Imagem2

E, como se ainda faltasse um passo para o limiar da dor, ele ouve da assistente social da escola que ainda é um menino, “se fosse homem teria mais quatro a seu lado”. Finalmente, ele chora, confrontado com toda a sua impotência. Chega ao limite. E Chiron torna-se Black.

Imagem1

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

(Versos Íntimos, por Augusto dos Anjos)

REFERÊNCIAS:

[1] ANJOS, Augusto dos. Eu & Outros Poesias. V.1. Rio de Janeiro: Civilização/Itatiaia, 1982, p.117.

[2] MOMBACH, Euremilter Maria. Amor, Narcisismo e dor. Disponível em: <http://www.circulopsicanaliticors.com.br/_files/artigo/11/5632676f33464.pdf>.

[3] FROMM, Erich. A arte de amar. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

[4] NASIO, J.-D. O livro da dor e do amor. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

FICHA TÉCNICA DO FILME:

moonlight-cartaz

MOONLIGHT: SOB A LUZ DO LUAR

Diretor: Barry Jenkins
Elenco: Alex Hibbert, Ashton Sanders, Trevante Rhodes, Naomie Harris, Mahershala Ali
País: EUA
Ano: 2016
Classificação: 14

Risia Lima
Estudante de Psicologia (Ceulp/Ulbra), namorando a psicanálise | Bacharel em Comunicação Social (UFT) | MBA em Gestão da Comunicação nas Organizações (Univ. Católica de Brasília)
Autor / Co-Autores: